.

Da fêmea que sou, ah, eu sei...

16 de agosto de 2017

Mulher de mentira

Mulher de mentira
.
plumas brancas
colar de vidro
peruca dourada
largada ao chão
cortina de renda
balança ao vento
meio na contramão
continua a viagem

tão feminino
corpo deitado
nos lábios, batom
assim sem vagina
agarra o pênis
masturba a vida

pensa em si mesma
a Grande Rainha
chora por dentro
quase menina
vai, sem medo
mulher de mentira

Dhenova

14 de agosto de 2017

Teu corpo no meu


Teu corpo no meu

Pele branca
delícia de cheiro
ancas balançam
trocam segredos
teu corpo no meu
e nossos anseios
travam a luta
assim, sem receio

teu corpo no meu
e nossos segredos

pele morena
brilham as gotas
corpos suados
coisa tão louca
teu corpo e o meu
e nossas apostas
devaneios divinos
em almas tão nossas

teu corpo no meu
coisa tão louca

Dhenova
13/08/2017

11 de agosto de 2017

Serena


Serena

Vejo as grades da janela
servem mais de proteção
do que de cela
e sorrio, serena

losangos brancos
na escuridão
mostram fissuras
mais do mesmo
sempre o pranto
do 'tanto faz'

fiz a escolha
talvez não a certa
preciso do encanto
e da linha reta
sei do que aprisiona
também do que liberta

curvas cansam
ainda que emocionem
andei sem freio
nos últimos anos
acreditei em balelas
não quero magoar 
quem me cerca
prefiro valores
a qualquer descoberta

vi beleza nos ritos
tesão desenfreado
mas é no chão o limite
as bases que faço

Dhenova

9 de agosto de 2017

Última dança?

(Arte de Suraji Chatterjee)
.

Última dança?

Vem, senta aqui
ao meu lado
segura o riso
tão apaixonado
libera o pranto
os desagrados
esquece as brigas
os erros tantos
vê, colorido?
o arco-íris
ainda existe
em nuvens brancas
espera o agrado
da última dança

Vem
não somos crianças
se digo
'quero tua boca'
é porque me alcanças

Dhenova


Quem me acompanha...

Pesquisar este blog