28 de outubro de 2017

Olhos de fogo

Olhos de fogo

mãos tremem
hora do abraço
dizer adeus
não é fácil
olhos vermelhos
emoções frágeis
sem segurança
mundo grita
alma cansa

porta fechada
janela coberta
vãos cimentados
correntes perdidas
tudo acertado
e ainda assim
um bagaço

beijo na boca
adeus pelo vidro
sufoco e delírio
outro e de novo
tantos abrigos
soltam faíscas
teus olhos de fogo.

Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário