Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

30 de setembro de 2017

Pêssego em calda


Pêssego em calda

Doce é a metade
do pêssego em calda
em partes iguais
comido sem sobras

E a tua boca
e a minha
cobertas de rosas

Exploram sozinhas
bocas ingênuas
circo sem lonas
picadeiro vazio
arquibancadas
cadeiras na areia
ah, chuvarada

Minha boca
e a tua
em nossa jornada 

Quando desce
pelo pescoço
a calda doce
vai trazendo junto
lábios dengosos
aquecem o mundo
e adoçam o todo.

Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário