Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

9 de agosto de 2017

Última dança?

(Arte de Suraji Chatterjee)
.

Última dança?

Vem, senta aqui
ao meu lado
segura o riso
tão apaixonado
libera o pranto
os desagrados
esquece as brigas
os erros tantos
vê, colorido?
o arco-íris
ainda existe
em nuvens brancas
espera o agrado
da última dança

Vem
não somos crianças
se digo
'quero tua boca'
é porque me alcanças

Dhenova


Nenhum comentário:

Postar um comentário