28 de julho de 2017

Destrato


Destrato

A boca seria alento
caso sorrisse
no brilho mais denso
um riso de tigre
permaneceria aceso
fogo que atinge
parte ao meio
meu eu de esfinge

ah, queria o sim
o não me deprime

Nesse cárcere, vago
espero a música
seja brega ou clássica
tanto faz a firula
quero a dança e o colo
e na diabrura
conhecer teu destrato
ferida pra minha cura

ah, não quero tango
o sim vai além

Beijo sôfrego retém
universo afiado
já não sou um bebê
tenhas cuidado
o que espero da vida
só a mim mesma falo
cultivo dias
de paz e orgasmos

sim, queria teu sim
o não mando ao diabo!

Dhenova

16 de julho de 2017

Dos buracos e falhas


Dos buracos e falhas

asfalto esburacado
cinza esverdeado
iluminação parca
estrada longa
íntimo à margem

e os carros passam...

inventei três vezes
a mesma mentira
envolvi meu eu
de forma desmedida
busquei alívio
emoção dividida
equacionei a fórmula
e fui vencida

foram-se os quilômetros
sentimentos frágeis
amanheceres sem bônus
o sol nascendo metade
eu, tão sem dono
engolindo mares e mares

enredaram-se dias, noites
tão fugazes...

dos buracos e falhas
aprendi com a vida
o que não acaba
é, nem sempre 
vira ferida.

Dhenova

14 de julho de 2017

Engano

Engano

Sem jeito
peço desculpas
foi um engano
pensei que o ato
justificasse o dano
mergulhei mil vezes
nos mesmos planos

assim, sem efeito
sem fala ou gana
morri oito dias
em uma semana

sobrevivi ao nono
e nem sei o motivo
por isso hoje calo
o que não faz sentido.

Dhenova

12 de julho de 2017

O que faltava...


O que faltava...

Assim aconteceu, em plena madrugada, o sol surgiu e trouxe com ele o calor que faltava em tanto breu...