Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

27 de novembro de 2016

Elegia



Elegia

De olhos vendados
nasceu o dia
sem carinho da noite
não pulsou a Poesia

Céu encoberto
fantasia sem rima
os tantos açoites
agora pedem justiça

Fios de ilusão
enfeitam os postes
apagam as luzes
antes tão fortes

De mão em mão
foi-se a harmonia
ficou apenas
insana elegia.

Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário