Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

3 de março de 2016

Feras

Feras

Então, eu soube
no sonho o corvo
trouxe no bico
teu bilhete escondido

e no ciclo da lua
verei tua face
sem máscara, nua
de força, coragem

Entrelaçados nossos dedos
desejo de tantas eras
mantidos os segredos
libertas as feras.

Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário