Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

3 de dezembro de 2015

Desdenhices

Desdenhices

Desdenhar o rebolado é fácil
difícil é acompanhar o passo
quando a cintura reclama o ócio
há necessidade de pontos e laços

desdenhar a curva da boca é comum
diferente é o tom que vem em carmim
que faz das tuas noites pesadelo
que lembra mordidas insanas e medo

desdenhar a gargalhada solta é praxe
assumir o riso que vem da garganta, não
quando o desafio vira esculacho
as desdenhices destoam a canção.

Dhenova

(Inspiraturas Palavrainventada)

Nenhum comentário:

Postar um comentário