10 de agosto de 2015

Nunca por engano

(Wasil Sacharuk)


Nunca por engano


Quando o latido irrompe na madrugada
da janela, cinzentas luzes parcas
revelam o dia que está chegando
o sono não mostrou a cara
nem tampouco deu ânimo
letras são forjadas
talvez num desafio
nunca por engano

já sei que poesia
jamais é um engano

Quando os resquícios da noite acordada
pela tela, letras que dançam opacas
revelam que a noite está morrendo

nunca por engano.

Dhenova & Wasil Sacharuk

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem me acompanha...

Pesquisar este blog