19 de agosto de 2015

Desiludida

Desiludida

Olho à rua
a noite se aproxima
chuva que pinga nua
frio que enregela a rima

Folhas em branco
espalhadas pelo chão
encolho-me no manto
pela falta de inspiração

Pego o copo vazio
meus dedos avermelhados
triste é gente senil
e seus desejos molhados

Entristeço enfim
desiludida com a vida
sem calor, sem dor
sem poesia, sem alegria.

Dhenova
11/10/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário