Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

12 de junho de 2014

Acaba quando termina


Acaba quando termina


Sim, acaba apenas
quando termina
sem grandes danos
sem sinas,
só acaba assim...
quando termina


acaba quando termina
quando a paixão
já não chega à retina
e de vão em vão
fecha-se a cortina

acaba sim
quando termina


acaba quando termina
quando a ilusão
esmorece na menina
e de grão em grão
marca-se outra trilha

sim, acaba
quando termina


acaba quando termina
quando a emoção
torna-se parte da rotina
e de mão em mão
perde-se a doutrina

simplesmente acaba
quando termina


Sim, acaba apenas
quando termina
sem grandes danos
sem sinas,
só acaba assim...
quando termina.

Dhenova
12/06/2014

2 de junho de 2014

De gosto e cio


De gosto e cio


De olhos fechados
vejo tuas mãos
sinto os dedos
cravados na pele
me invade o calor
e me faço metade
cheiro de gozo e cio

e eu quero teu gosto
na boca, na língua
e me faço bandida
continuo a dormir

De olhos abertos
sinto teus dedos
vejo tua pele
me invade o cio
e tuas mãos atrevidas
me fazem bandida... 

impossível dormir.


Dhenova
01/06/2014