Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

20 de fevereiro de 2014

Noites de Lua

(fotografia por Andréa Iunes)

Noites de Lua

Lua minguante
refez a prosa
trouxe no fio
beleza do agora
Lua nova
apareceu no ar
mais um ciclo
formoso cais
Lua cheia
redonda na arte
fez-se meia
buscou a metade
Lua crescente
mascarou a vida
procurou o dia
inspirou poesia.

Dhenova
16/03/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário