2 de janeiro de 2014

As Cortinas


As Cortinas

O tecido transparente move-se com a pouca brisa vinda da janela de madeira, o movimento faz o atrito entre a parede e a mesa da televisão... que está fora do ar. Na janela, o vidro quadrado cobre metade da minúscula parede da sala e está meio aberto, o que faz as cortinas quase brancas lamberem o tapete ralinho verde. Na mesa de centro, um pato guarda moedas e alguns envelopes. No sofá florido, uma almofada de coração serve de encosto para uma mulher de cabelos presos e brancos, de óculos de grossas lentes, de olhos parados, e lábios roxos. Ela não respira.

Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário