Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

23 de dezembro de 2013

Admirável Gado Novo

ADMIRÁVEL GADO NOVO

Admirável rebanho este
que, crente, aceita tudo
de forma benevolente
as mentiras
as ruínas
as misérias
sem pão ou chão
sem orgulho ou paixão

Admirável também é o teatro
dos líderes asnos
que, safados, enganam o gado
levando-o ao divino abate
novo abismo
novo ato
mas sempre democrático

Admirável ainda é a incerteza
de um povo covarde
que não se une, não se mostra
e quando aparece
só diz bobagem boca a fora

Admirável mesmo é a esperança
que insiste em permanecer
na mente daqueles que creem
que um país melhor possa acontecer.


Dhenova – abril/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário