30 de outubro de 2013

Prisioneiro

Prisioneiro


Homem
sentido embotado
sentimento cru
cruel, inexato
disperso de candura

Imagem
do tempo passado
culpa esquecida
nascido ileso
de alma pura

Não importa
como morre
visto a olho nu
é quadro abstrato
infâmia colorida

vísceras à mostra
sangue que escorre
denso da ferida
permanece preso
à outra vida.

Dhenova e Wasil Sacharuk
outubro 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem me acompanha...

Pesquisar este blog