15 de junho de 2013

Instantes...

Instantes...


São isto: instantes.

Desvios de ida,
sem trilha antiga,
tudo tão sem motivo
tão feio o antes

tudo sem brilho
o preto no braço,
no laço e na fita,
sem qualquer medida...

Quero voar agora
pelas tardes dos teus olhos,
pousar nas noites dos teus lábios
e acordar regada da tua beleza.

desejo levitar ainda
encontrar o meio do labirinto
fazer do ato única certeza
e ter teu corpo faminto

anseio calar amanhã
minha voz nas vielas da tua língua
ouvir o eco da nova cantiga
e ter amor o resto da vida.

Dhenova

13 de junho de 2013

Até Breve

Até Breve

Solto o grito
abertos os braços
vida nas nuvens
de costas pra o mundo

sinto no peito
o ar gelado
sei que lá no alto
algo me faz refém

sensação de abrigo
aconchego
terno e denso
um único beijo

perco as vestes
vento grave
procuro na crença
alguma bobagem

nada me conquista
deixo o corpo leve
caio no abismo e voo
em mais um 'até breve'.

Dhenova
11/12/2010

7 de junho de 2013

Percepção

Percepção

Foi quando eu percebi
quantos atos falhos
na realidade, sucumbi
a um amor estranho

e aí, nua, eu renasci
breve como a rosa mais rosa
fiz da vida tabuleiro, eu vivi
entregando os pontos na hora

ah, não quis ver as setas
do destino ceguei-me por medo
não quis entender as indiretas
apostei em tolos segredos

Foi quando eu percebi
tanto contra senso
quis novamente a aurora em ti
esqueci todo o bom senso

é, apaixonei-me pelo tempo
mas o quê fazer?
buscar outra vez a concha
deixar o coração livre de redomas?

e agora? Não sei
Viver o melhor em mim
Ou simplesmente te esquecer?

Dhenova



Quem me acompanha...

Pesquisar este blog