Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

15 de maio de 2013

Sussurros ao ouvido


Sussurros ao ouvido


Será que
sussurrar ao ouvido
palavras bobas, sem nexo
mas cheias de tesão
é tão absurda
quanto à história
dos dois e dois
e três...
sei lá qual o certo?
Pensando bem,
sou refém.
Não protesto.

Será que
sussurrar ao ouvido
uma eterna cantiga
e deixar que o coração se perca
no fulgor da mão amiga
ainda que amanheça
fora de hora
e que no momento de ir embora
digas 'tudo bem'
'até a semana que vem'?

Mas com voz insegura
vou murmurar ao ouvido
que sem tua emoção não vivo
e te agradecer
por estar recebendo tanto
deste meigo clichê...

E então
vais deixar que permaneça
só o sentimento mais puro
afinal, antes de tudo
somos amigos
e paixão entre amigos
não tem futuro.


Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário