Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

1 de abril de 2013

EU TE AMO


EU TE AMO


E nquanto imagino teu dia
U ma brisa quente toca a face

T e busco na poesia
E sparramada pelo quarto...

A lcanço estrelas, cometas
M e lanço inteira ao vento
O amor explode... e arde!


Dhenova
27/02/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário