19 de março de 2013

Desterro

Desterro

E eu peguei as duas malas
fechei a porta com força
esquecida das tolas desculpas
com coragem, enfrentei à rua

Ouvi canções, interessantes hinos
li revistas, jornais e artigos
distanciei-me dos insistentes sinos
fiz questão de olvidar os vícios

E no meu escolhido desterro
vislumbrei a alvorada
fiz da minh'alma sossego
não pensei em mais nada

Livrei-me, enfim, do fetiche tolo
ser escrava na cama e na vida
sofrer por amor é coisa de bobo
encarei, tranquila, a despedida.

Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário