Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

17 de fevereiro de 2013

Noite de Estrelas


NOITE DE ESTRELAS

N oite de estrelas
O breu recebe luz
I ncansável melodia
T oca ao longe, seduz
E a madrugada vem...

D ois brilhos no céu
E ntretanto, se mantêm

E ram estrelas de mel
S alpicando ouro nas nuvens
T rocavam carícias no céu
R edesenhando as curvas
E ram estrelas coloridas
L ibertas de cores secundárias
A penas estrelas felizes
S urgindo por entre vales...


Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário