Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

8 de fevereiro de 2013

Buquê de Borboletas


Buquê de Borboletas

Trago nas mãos um buquê de borboletas coloridas, dispostas lado a lado, amarelas, azuis, brancas, risonhas, intensas, etéreas... trago nas mãos o sonho, polén encantado, capaz de espalhar o amor verdadeiro, tirado do jardim sem pecado.

Dhenova

2 comentários: