Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

7 de janeiro de 2013

Trocando alegrias


Trocando alegrias
(para Virgínia Torquato)

Eu trocaria a beleza de um instante
se fossem por pensamentos exatos
trocaria também o abstrato
se fossem por gestos largos

Eu trocaria a densidade querida
se fossem por dias de brisa
trocaria também o regresso
se fosse pelo vento terno

Eu trocaria o riso nervoso
se fossem por noites de sonhos
trocaria também a alegria de um sorriso
se fossem por versos puros, límpidos

e faria mais
dividiria contigo
a mais doce poesia
em prol da magia da vida.


Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário