Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

21 de janeiro de 2013

Similitudes


SIMILITUDES


Tenho o pé na terra
e os olhos no vento
busco só a resposta
do outro lado da porta
a noite é de tempestade
raios, trovões, ventania
e eu aqui
o pé no chão
e ainda é a mesma
a mesma estrela
que me guia

eu te vi no retrato
um sorriso suave
no olhar, lá no fundo
uma tristeza sem jeito
abafada no tempo
esquecida? não tão cedo
na expressão firme
a responsabilidade
de quem ama
e levanta da cama
mesmo no inverno mais frio
e vai olhar a cria
pede com esperança
pra estrela do norte
desejando sorte
de ter mais um dia

Tenho o pé no chão
e o coração na chuva
sei a proposta
relâmpago, trovão, agonia
o pé na terra
o coração no chão
e a vida por um fio.

Dhenova - 02/03/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário