Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

12 de janeiro de 2013

Pássaro liberto

Pássaro liberto

Voe passarinho
vá, encontre seu lugar
busque sentimentos
pássaro de carinho
vá rir e formar outro ninho
com a intensidade de amar

voe passarinho
mostre suas asas
encante a plateia
faça sua morada
ah, pássaro livre
pela estrada
que nada te barre

seja único sempre
em voos soberbos
ou pousos arriscados
estarei aqui, entre os rostos
torcendo por ti, naturalmente.


Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário