.

Dos rios que não cruzei... não sei!

6 de janeiro de 2013

Nenhum mal


Nenhum mal

Sinto o toque gelado
meu corpo espichado
no mármore frio
esparramo o perfume
no brilho avermelhado
dos teus lábios
e sinto o macio
da vida que ri

então
deixo-te ir à luta
nenhum anjo de candura
faria o que fiz
deixo-te ir à caça
nenhuma esperança
nos conduz à luz
deixo-te ir...
nenhum mal te açoitará
enquanto eu estiver aqui.


Dhenova

2 comentários:

Quem me acompanha...

Pesquisar este blog