Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

19 de janeiro de 2013

IX


IX

A ira consome o riso
precipício, abismo
coisas do tipo

pensamento voa
e dá de cara no vidro
espatifa no chão

cruel e divina
estupefação

percebida no corte
evaporação
ideia inacabada
inexata
sem qualquer resumo
fraca e inoportuna

assim como o silêncio
ainda inteiro
sem entremeios.

Dhenova
(Meus silêncios verdes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário