Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

14 de janeiro de 2013

II


II

Os pés 
transformam-se em pedra
mármore alaranjado
as mãos são espadas prateadas
lanças finas do íntimo dourado
o torso ereto, calcificado
deixa a cena congelada

os dedos magros apontam o céu
ave branca surge do monte
sem viés e sem dor
rasga o brilho do horizonte
paira sobre a estátua
a cor amarelada

de repente, outra vez o verde
invade o recorte
deixa a obra terminada
pó sobre pó
e mais nada.


Dhenova
(Meus silêncios verdes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário