8 de janeiro de 2013

Ao som das gaitas escocesas, com Márcia Poesia de Sá

Ao som das gaitas escocesas


Dediquei meu tempo aos teus desejos
lancei no ar os dados, ergui dedos
e ainda assim tu partiste

Quis o vermelho na chuva da trilha de barro
enrosquei-me em teus breus, permiti maldades
e ainda assim tu te foste

Provoquei demônios e entreguei a alma
rastejei em teus medos, sangrei à toa
e ainda assim me abandonaste

Partistes levando contigo meus apelos
E em teu atropelo, todos os sonhos despedaçados
Alados momentos, adeus velados

Quis apagar minhas cores...
Joguei aguarrás na esperança
Dancei com a falta de luz

Te fostes, e hoje levanto!
As cores carmins do espanto
Voltam a dançar ao som
das gaitas escocesas

Provoquei a ira de meu ego
Reencontrei o amor que não me dava
e como Fênix apaixonada...
Apaixono-me por mim, finalmente.


Dhenova & Márcia Poesia de Sá

Um comentário:

  1. Escrever contigo é uma experiência divina! Obrigada amiga! adoro!

    Beijinhos e aplausos pelo blog!

    ResponderExcluir