Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

3 de dezembro de 2012

Falta de Rimas

Falta de Rimas

Ando cansada
de escutar o silêncio
batidas sentidas na boca
peito vazio por dentro

ando cansada
de tanto mau jeito

Procuro palavras
doces, amenas
às vezes, nefastas
apimentadas, mas ternas

procuro palavras
escritas com pena

Estou decepcionada
com o desamor, e as sinas
canto o dia, noite e madrugada
e nada, numa voz tão fina

estou decepcionada
com a falta de rimas.

Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário