16 de novembro de 2012

Um caminho com flores


Um caminho com flores

Foi então que eu vi
o quanto sou frágil
o quanto preciso
de um terno abraço

foi então que senti

senti a vida pulsando
quero sorrir mais
não quero o pranto
alçar voo alto demais

foi então que parti

e parti sem rumo certo
busquei no andar
caminho correto
e esqueci de me amar

foi então que entendi

fiz da partida alento
brincadeira de roda
entrei no teu leito
já fora de hora

e muito tarde eu vi

que a trilha é gasta
pedras machucam os pés
e então dei um basta
não quero os viés

foi então que percebi

quero sim a partilha
pulso com pulso
sangue com sangue
não vejo saída

e nenhum desânimo

curei as feridas
com o sol no rosto
sorrio às idas
não há nada torto

só flores perfumadas
pelas trilhas
desta difícil jornada.


Dhenova

2 comentários: