Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

16 de novembro de 2012

Personagem


Personagem

Havia um grito abafado
vindo das paredes
que pulsavam em anil
havia um diálogo mudo
perene e profundo
ainda que arredio
havia dor e culpa
e uma ira absurda
nada senil
havia a morte e a vida
vistas num só ângulo
havia o pó e o pânico
e um só cobertor
e havia o pacto eterno
ah, nada singelo...
mas eram só as paredes
daquela casa vazia
sim, havia poesia no silêncio
como sempre haveria.

Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário