Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

17 de novembro de 2012

Invasão

Invasão

Raios de sol lambem-me a face
Doces, acariciam o íntimo
Enlaçada nestes fios suaves
sinto irem-se os frios

Quero a luz
até o anoitecer
lua que seduz
faz o sol nascer

em mim

Marcas de giz
delimitam espaços
Assim, eu quis
os futuros laços

Sol que seduz
e faz nascer
(em mim)
lua que conduz
ao amanhecer

Raios de sol brilham menos
perco um pouco a vida
os que ficam, estão serenos
e inspiram nova poesia.


Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário