Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

24 de agosto de 2012

Quereres


Eu queria

Hoje eu queria a canção mais terna
a emoção mais singela
adoração tão sincera
queria contemplação mais eterna

Hoje eu queria o empate na luta
a breve conduta
real abertura
queria outra partitura

Hoje eu queria menos cansaço
o abraço apertado
olhar doce e amargo
queria o jeito abstrato

Hoje eu queria tanto
mas me recolho ao meu canto
então,espero vir a madrugada
e, com ela, a luz da lua prateada.


Dhenova

Nenhum comentário:

Postar um comentário