Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

25 de março de 2011

E se eu fosse lua

.

E SE EU FOSSE LUA...

Se eu fosse a lua
encontraria o quarto
iluminaria a face
do meu amado
se eu fosse lua

Se eu fosse a lua
esperaria o momento
e surgiria do nada
exato instante
que o poeta escreve
caneta em punho
respiração lenta
emoção breve
se eu fosse lua

Se eu fosse a lua
deixaria a marca
na testa desenhada
se eu fosse a lua
daria o céu a quem amo
e despida, nua
mergulharia no amor
disposta a qualquer loucura

ah, se eu fosse lua...

Dhênova

4 comentários:

  1. Que delícia de poema...
    "Se eu fosse a lua
    deixaria a marca
    na testa desenhada
    se eu fosse a lua
    daria o céu a quem amo
    e despida, nua
    mergulharia no amor
    disposta a qualquer loucura "

    Se vc fosse lu, querida amiga, eu sentaria no batente em frente minha casa, levava comigo papel e lápis, uma taça de Martini com cereja e te escreveria alguns versos felizes sobre uma noite de março.
    Adoro lê-la.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Que lindo!
    Se eu fosse o sol, iluminaria os teus dias!
    Beijos, querida!
    Pri

    ResponderExcluir
  3. Querida Bia, realmente foi um quadro muito bom este teu, inspirador... sou fã tua de carteirinha, fico feliz com a visita.

    Pri, amada Lispector, tua presença ilumina.

    Obrigada pelo incentivo.

    ResponderExcluir
  4. Lindo, só isso: Lindo. Dhenova, vc e a lua sempre me encantam

    ResponderExcluir