Faço versos com o vento, areia do deserto; minha densidade eu mesma aguento, não sou sexo frágil; imaturidade não concebo, indiscutível é o intento, todavia, quando a maré é alta, o poema sai aos avessos, meio sem forma, mas no conteúdo, ah, ele arrasa e não deforma.

17 de abril de 2010

ABRAÇO APERTADO

A lcancei o paraíso
B usquei o riso
R asguei o verbo
A fastei o atrito
Ç ancelei o grito
O rganizei a festa

A prendi a dança
P ersegui a funesta
E ncontrei a esperança
R esgatei o abraço
T ão apertado
A marrei de vez o laço
D ominei o embargo
O rnamentei o ato.

Dhenova

2 comentários:

  1. Doce e querida amiga, sinto-me honrada por estar aqui, feliz por conhecê-la, e privilegiada por sentir o carinho que recebo de ti. Sou tua fã, admiro-te!
    "Abraço Apertado" não escolhi por acaso, nem por ser o melhor entre tantos maravilhosos, mas por sentir o calor que emana de ti, o aconchego gostoso, o teu abraço.
    Adorei ver uma formatação que fiz de um pensamento teu, obrigada! As imagens falam, mas é o teu pensamento que traduz a profundidade com que expressas os teus mais nobres sentimentos.
    Adoro-te! Adoro-te!
    Milhões de beijos e Sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Oh, amiga, emocionei! Bom demais te ter aqui. Obrigada de coração. Beijos e beijos

    ResponderExcluir